quarta-feira, janeiro 24, 2007

Violência, muros e grades...

Leio as notícias da fuga de presos de uma cadeia que fica em uma pequena cidade próxima à minha. Bandidos armados invadiram a cadeia – que fica ao lado da delegacia - e libertaram mais de 70 presos. Leio depoimentos de moradores da cidade sobre o medo de sofrerem violência em função da presença da cadeia em pleno centro da cidade.

Vem à minha mente a letra da música dos Engenheiros do Hawaii, “Muros e Grades”, que, apesar de ter sido escrita há mais de dez anos, é mais atual hoje do que nunca foi. E bonita também. E está na lista das 100 + nacionais.

Veja abaixo a letra. Para ouvi-la, pressione o botão azul do boxnet.


"Nas grandes cidades, no pequeno dia-a-dia
O medo nos leva tudo, sobretudo a fantasia
Então erguemos muros que nos dão a garantia
De que morreremos cheios de uma vida tão vazia |

Nas grandes cidades de um país tão violento
Os muros e as grades nos protegem de quase tudo
Mas o quase tudo quase sempre é quase nada
E nada nos protege de uma vida sem sentido

Um dia super, uma noite super, uma vida superficial
Entre as cobras , entre as sobras da nossa escassez
Um dia super, uma noite super, uma vida superficial
Entre sombras, entre escombros da nossa solidez

Nas grandes cidades de um país tão irreal
Os muros e as grades nos protegem de nosso próprio mal
Levamos uma vida que não nos leva a nada
Levamos muito tempo pra descobrir
Que não é por aí... não é por nada não
Não, não pode ser... é claro que não é, será?

Meninos de rua, delírios de ruínas
Violência nua e crua, verdade clandestina
Delírios de ruína, delitos e delícias
A violência travestida faz seu trottoir
Em armas de brinquedo, medo de brincar
Em anúncios luminosos, lâminas de barbear

Viver assim é um absurdo como outro qualquer
Como tentar o suicídio ou amar uma mulher
Viver assim é um absurdo como outro qualquer
Como lutar pelo poder
Lutar como puder"

3 comentários:

Lou Mello disse...

Será que todos os bandidos de São Roque estavam na cadeia? Não havia nenhunzinho solto nas ruas? Nenhum mensaleiro, ou dociezeiro, ou um pastor mutreteiro? Estavam todos na cadeia? São Roque descobriu alguma fórmula mágica. Enfim, como você disse bem, o problema foram as grades e muros que não resistiram e, ao cair, devolveram o medo ao povo da cidade. Coitados.

Chris disse...

Imagina aqui no Rio, então?

hernan disse...

Uau! Engenheiros É demais!

Essa letra é uma obra de profeta.

Abs